sábado, 11 de dezembro de 2010

Clarice Lispector


Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

2 comentários:

' disse...

to seguindo aqui me segue ?

Sandra disse...

Adoro Clarice!!!
É pouco conhecida aqui em Portugal, mas tinha pensamentos e textos excepcionais.